CLICK HERE FOR THOUSANDS OF FREE BLOGGER TEMPLATES »

Agonia... Solidão

Agonia... Solidão

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Saudade

Foto: Debaixo do fogo

Frios são esses dias;
Que clautrofóbicos antecedem a chegada;
Do outono solitário..., mórbido...;
Triste..., no cair de minha folhas;
Amareladas..., pálidas...;

Do cançasso de verter em lágrimas;
Quando não mais resta alegria;
Nesse coração duro e castigado;
Que se desespera ao lembrar;
Que a ave alvissareira;

De todas as manhãs a despertar-me;
Quando brilhava os primeiros raios;
Da aurora sublime e fugáz;
Não mais repousa;
No abraço seguro de meus ramos.

Genesis

4 comentários:

CC disse...

Os ramos de um abraço: um abraço a eles.Este.

Um Momento disse...

E num abraço te abraço...
Num sorriso te sorrio...
Desejo-te um lindo fim de semana...
Cheio de cor...e sem "frio"

Que o meu beijo aqueça o teu lindo coração...
Beijo terno...bem aí...em ti

(*)

Anônimo disse...

Portugal Profundo: Outro a contas com a «justiça» de Abril...

«Começa amanhã, 10 de Abril de 2008, pelas 9:30 da manhã, no Tribunal da Boa-Hora, 3.ª Vara Criminal, em Lisboa, o meu julgamento, por tribunal colectivo, no qual sou acusado de 49 crimes de difamação a Paulo Pedroso, por queixa intentada por este, relativamente a posts que escrevi neste blogue Do Portugal Profundo. (...) O adiamento não alivia, suspende. Costas moídas por quatro processos políticos de alegados delitos de informação política e de opinião política em três anos e meio de blogue, os músculos retesam-se, habituados ao sacrifício pessoal, e a moral prepara-se para honrar os princípios que seguimos e a responsabilidade de cidadania que nos impõem. Nesta hora, e nas outras todas, que são as do combate pelo desenvolvimento social, lembro todos aqueles que sofrem perseguição e injustiça por causa da expressão das suas ideias, em especial aqueles que padecem processos judiciais por esse motivo. Muito mal vai uma sociedade que prefere a protecção daqueles que são poderosos em detrimento da liberdade de expressão dos simples cidadãos. A democracia representativa em Portugal chegou ao nadir do seu percurso: a opressão dos cidadãos pelo poder que os deveria representar e defender.(...)»

Retirado do blogue Do Portugal Profundo.

De qualquer forma «teve sorte», pois não ficou em prisão preventiva, a aguardar julgamento por causa daquilo que pensa ou diz. A tal treta que o Adelino Caldeira falava, em Abril de 74

**Je Vois la Vie en Vert ** disse...

Que saudade tinha eu de te ler !

Beijinhos verdinhos