CLICK HERE FOR THOUSANDS OF FREE BLOGGER TEMPLATES »

Agonia... Solidão

Agonia... Solidão

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

DEVANEIOS

Imagem: .
Autor: Carlos

I

Sinto a brisa...;

E não penso... Mas enfim;

O que deveria eu pensar?

Não. Melhor não saber;

A não ser das coisas simples;

Tal como o vento é simples;

E leva-me com ele em viagem;

Ao encontro do crepúsculo e da morada;

Do sol ligeiro a fugir de mim;

Feito criança a brincar de esconde-esconde;

Com a própria imagem refletida no lago.

II

Tenho vontade de sorrir;

Apesar dessa solidão nostálgica;

Que me consome pouco a pouco;

Ainda assim tenho vontade de sorrir;

Por causa não sei do que;

E isso talvez nem importe;

Sorrio apenas, e nada mais.

III

Volto..., de certa forma às raízes;

Às quais me carregaram por tantas eras;

E sinto, sem mais pensar;

Que estou perdido entre os dias;

Moribundos..., confusos..., escuros;

À procura daquilo que não conheço;

Entre um raiar do sol e outro;

Desconhecendo aonde vou;

Mas sigo, sem hesitar;

Pois me guio pelos olhos de outrem;

Pelos sorrisos que encontro pelo caminho.

IV

Sigo..., sem mais pensar;

A lentidão despreocupada dos meus passos;

Que levam meus olhos ao horizonte;

Mórbido e solitário dos dias já findos;

Abro os olhos e procuro;

Nas auroras frescas de primavera;

Ver se sou realmente vivo;

Ou se sou apenas uma metáfora;

Perdida no passar das horas;

Como que se aguardasse;

Alguém estender-me a mão e dizer;

-Vem comigo, aos castelos celestes;

Onde tua sede será finalmente saciada;

E teu coração terá o amor que tanto procuras.

V

Olho o horizonte;

E penso;

O que há de mágico;

Nas auroras e nos crepúsculos;

A tal ponto de retorcer;

Os corações apaixonados e fazer;

De certo modo, a alma brilhar;

Tão fugaz..., tão intensa..., tão bela;

A sonhar em um dia ser estrela;

E brilhar somente por ter luz;

E de tanto sonhar nem percebe;

Que de fato são;

Estrelas vivas nascidas;

Do sopro suave da criação.

VI

Nos momentos de êxtase;

Tranqüilos momentos;

Doces recordações que afloram;

Repletas de mistérios guardados;

Das paixões novas da juventude;

Como se fosse real ver;

Diamantes em gotas de água...;

Pérolas nos olhos...;

E estrelas nos sorrisos...;

VII

Que alcancem os céus;

Com as mãos dormentes;

Cansadas do trabalho e ávidas;

Pelo toque majestoso dos anjos;

Que se fazem presentes;

Nos sonhos de poeta confuso;

A escrever versos mudos;

Que talvez nunca sejam lidos...;

Nem ouvidos..., nem notados;

De sua existência fútil;

Mas ainda assim verdadeira;

Na essência das paixões;

A coroar as faces singelas;

E torná-las reis e rainhas;

Não apenas deste mundo;

Mas de tantos outros mundos;

De tantos outros corações.

VIII

Sinto minha mão cansada;

Já tremula das horas;

Em que desfilei palavras;

Em versos de sonhos;

Tão incertos quanto é de a chuva;

Cair sempre em meu aniversário.

IX

E se cai a chuva, calma;

Mas persistente a tantos dias;

Sem dar chance de sentir;

Um único raio de sol;

Ou um abraço de quem guardo;

Nas páginas da saudade;

Abençoada então seja a chuva;

Que cai nestas tardes tristes;

Para lavar as almas solitárias;

A viver sem por que.


Genesis


27/7/2006 (Em um momento de solidão e saudade..., talvez até de loucura...)

11 comentários:

Je Vois la Vie en Vert disse...

Belas palavras, como sempre mesmo se um pouco tristes...

Hoje houve porquês ! Hoje só houve alegria para mim !

Queres ver ?

Passa pelo meu cantinho....

beijinhos da

´Verdinha

Sonhadora disse...

Bendita loucura que fez brotar tão belo poema.
Lindooo

Sonhadora

Nebulosa disse...

lindo

sónia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sónia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sónia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sónia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sónia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sónia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sónia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sónia disse...

Como me identifico com estas palavras!...